Uma preocupante vitória brasileira
Por Redação Publicado 22 de junho de 2018 às 11:33hs

A Seleção Brasileira venceu, mas não se engane pelo placar de 2 a 0. Caso não tenha visto o jogo na manhã desta sexta-feira (22), contra a Costa Rica, o time do técnico Tite apanhou e sofreu para furar a dura barreira branca costa-riquenha. Os dois gols do jogo saíram já nos acréscimos do segundo tempo, quando o empate em 0 a 0 já era aceito pelos dois lados. Philippe Coutinho e Neymar garantiram a vitória importantíssima para a sequência do Brasil na Copa do Mundo.

A derrota eliminou todas as possibilidades de classificação da Costa Rica. Sensação na Copa de 2014, realizada aqui no Brasil, os centrais-americanos decepcionaram seus torcedores nesta nova edição. Não por culpa do elenco, que batalhou para conseguir o resultado, especialmente no jogo de hoje. Celso Borges, Gamboa e Venegas conseguiam impor algum perigo à defesa brasileira em raras oportunidades de contra-ataque e jogadas de bola parada. Entretanto, faltou talento individual na hora de finalizar para dentro.

Ao Brasil, a vitória de hoje traz também uma certeza. A seleção não está bem e precisa de alterações importantes na sua formação tática. O time passou 90 minutos com total posse de bola, atacando persistentemente a meta, mas pecava na conclusão das jogadas, sem conseguir passar pela dura marcação adversária. Nas oitavas de finais, em jogos de mata-mata, a postura deve ser bem diferente.

Já na metade do segundo tempo, com a Costa Rica tentando segurar o empate, Tite apostou e botou os dois centroavantes em campo. Gabriel Jesus e Firmino atuaram juntos pela segunda vez, a primeira foi contra o Chile, na vitória por 3 a 0, ainda na última rodada das eliminatórias. No lance decisivo do jogo, Firmino disputou por cima e Jesus por baixo, antes que Coutinho fizesse o gol.

Neymar, referência, também demonstrar estar precisando de um descanso ou que ainda não está 100% após o procedimento cirúrgico que realizou meses atrás. O atacante estava muito nervoso em campo, tentou cavar um pênalti (discorde de mim, se quiser), bateu boca com a arbitragem, levou cartão amarelo e não conseguiu desempenhar o futebol que se espera. Ele até fez o segundo gol do jogo e foi às lágrimas ao término da partida, uma imagem forte que comprova a pressão interna (contra si mesmo) que o menino está enfrentando.

A situação do Grupo E ganhará outro capítulo importante na tarde de hoje, quando a Sérvia encara a Suíça. Se os servos vencerem estarão classificados, se a Suíça ganhar, vai a quatro pontos e empata com a Seleção Brasileira. Na próxima rodada, o Brasil enfrenta a própria Sérvia, enquanto que a Suíça joga contra a já eliminada Costa Rica. Os jogos serão no dia 27, às 14 horas (MS).

O jogo

Que o Brasil foi superior, isso não se tem dúvidas, mas a Costa Rica assustou. A propósito, no primeiro tempo, a melhor chance de gol foi deles. Em contra-ataque, os costa-riquenhos avançaram pela direita, Borges recebeu livre na área, mas finalizou mal.

Lá na frente, Neymar, Willian e Gabriel Jesus eram parados pela forte marcação branca. Jesus até marcou um gol, mas foi anulado por impedimento.

Na etapa complementar, o Brasil partiu inteiro para cima e a Costa Rica aceitou, inclusive, retiraram todos os atacantes, ficando com quatro zagueiros e dois volantes recuados.

O Brasil foi ganhando espaço com  o desgaste físico do adversário. Gabriel Jesus cabeceou no travessão e Neymar, num tapa de direita, desperdiçou.

Aos 32, González e Neymar se enroscam dentro da área. O camisa 10 faz uma simulação grotesca ao ser puxado pelo adversário e vai ao chão. O juiz até marcou a penalidade, mas ao conferir o lance com auxilio do árbitro de vídeo, cancelou e o jogo seguiu.

Nos acréscimos, aos 46, enfim saiu o gol. No bate rebate dentro da área, Jesus errou o domínio, sobrando para Philippe Coutinho, de bico, estufar as redes.

Abatidos, a Costa Rica entregou o jogo. Aos 51, Casemiro puxou o contra-ataque e rolou para Douglas Costa, sozinho, achar Neymar na cara do gol. Final, 2 a 0 para o Brasil.