Semana do Meio Ambiente leva conhecimento sobre sustentabilidade e aproxima comunidade da ciência
Por Redação Publicado 6 de junho de 2017 às 11:10hs
Diversas pesquisas do programa de Pós-graduação e Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Uniderp serão apresentadas no evento. Interessados ainda poderão participar de check list das aves no campus Agrárias Foto: Divulgação

De hoje até sexta-feira, dia 9 de junho, a programação da Semana do Meio Ambiente em Imagens e Sons: O Patrimônio Natural inspirando o Patrimônio Histórico-cultural,no Museu da Imagem e do Som (MIS), em Campo Grande (MS), apresentará resultados de trabalhos científicos e diversos estudos relacionados à sustentabilidade local, por meio de alunos e professores de mestrado e doutorado em Meio Ambiente. Com entrada gratuita, o evento é resultado de uma parceira entre o museu, o Instituto Mamede de Pesquisa Ambiental e Ecoturismo e o programa de pós-graduação Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional da Uniderp, com apoio de parceiros.

“Mostraremos as novidades em meio ambiente numa linguagem acessível a toda a comunidade, pois desenvolvemos pesquisas científicas para aproximar, aprimorar o conhecimento e melhorar as relações humanas com a natureza. O conhecimento aprofundado e sistêmico pode ser ferramenta relevante para políticas públicas socioambientais, contribuindo para a sustentabilidade de territórios e melhorando a qualidade de vida das atuais e futuras gerações”, explica uma das organizadoras do evento, Simone Mamede, sócia-diretora do Instituto Mamede e, também, acadêmica de doutorado da Uniderp.

Nesta terça-feira, às 9h, serão debatidas as estratégias de conservação que inspiram a cultura da região. O geógrafo Fábio Ayres é um dos palestrantes do evento e discorrerá sobre o tema de seu doutorado: zoneamento ecológico econômico de Campo Grande, que será um instrumento de apoio à política municipal de Meio Ambiente. Já no mesmo horário na quarta-feira, o diálogo será sobre as experiências e desafios do turismo sustentável em Mato Grosso do Sul. A turismóloga Marta Melo explicará como as reservas particulares, áreas protegidas por lei, podem executar atividades de educação ambiental, pesquisa científica e ecoturismo com foco na conversação da natureza, tema de sua dissertação de mestrado, orientada pela professora doutora em Zoologia, Neiva Guedes. A aluna doutoranda e bióloga Simone Mamede discorrerá sobre turismo sustentável na rota turística Caminho dos Ipês.

Já no dia seguinte, também pela manhã, a pauta de discussão será Avifauna e ciência cidadã: os caminhos para a sustentabilidade regional, com a participação da bióloga Maristela Benites, esclarecendo como o conhecimento e a observação de aves podem contribuir na melhoria da qualidade de vida das pessoas em áreas urbanas. Na ocasião, a profissional do Instituto Arara Azul, Larissa Tinoco, apresentará o projeto Aves urbanas – araras na cidade – liderado pela professora Neiva Guedes. A bióloga Aline Calderan, que integra a equipe da organização não governamental, explicará sobre a biologia reprodutiva da Maracanã-de-cara-amarela, tema de sua dissertação de mestrado. Às 14h30, o professor da Uniderp José Sabino, coordenador do projeto Peixes de Bonito, discorrerá sobre biodiversidade e divulgação científica na era da multimídia e a acadêmica do doutorado, Bruna Andrade, explicará sobre a utilização de imagens em estudos de conservação.

Na sexta-feira, ainda acontecerá o Pré-Fórum de Educação Ambiental, repleto de experiências que comprovam que a educação é o caminho para um mundo melhor, mais justo, igualitário e sustentável.

O encerramento da Semana do Meio Ambiente em Imagens e Sons: O Patrimônio Natural inspirando o Patrimônio Histórico-cultural será no sábado, 10 de junho, às 6h, com a atividade check list das aves na Uniderp Agrárias. A ação terá como objetivo a catalogação das aves que habitam o local e o envolvimento dos acadêmicos de forma multidisciplinar, buscando o conhecimento e reconhecimento das espécies como estratégia de conservação e proteção da biodiversidade local.

Nesse dia acontecerá uma força-tarefa com acadêmicos, professores, especialistas e comunidade para relacionar as espécies do campus e promover momento de contato do ser humano com os elementos da natureza. Para participar, basta comparecer na unidade, no dia e horário marcado. Na interação, os interessados deverão vestir roupa apropriada para campo e, se possível, portar binóculos e caderneta.