Sedesc reúne empresários para apresentar realidade do Prodes
Por Redação Publicado 11 de fevereiro de 2018 às 09:27hs

Duas reuniões significativas foram realizadas na manhã dessa sexta-feira (9) na Secretaria de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedesc), dos quais participaram 40 empresários beneficiários na Lei do Programa de Desenvolvimento Empresarial e Social de Campo Grande  (Prodes), com processos ainda não finalizados, e 16 consultores empresariais, de um grupo de 30 registrados na Sedesc.

Foram reuniões em dois momentos distintos, apesar de o tema ser o mesmo nos dois casos. Primeiro com os empresários durante cerca de uma hora e meia, depois com os consultores, durante cerca de uma hora. A reunião foi dirigida pelo secretário da Sedesc, Luiz Fernando Buainain, com participação do secretário-adjunto, Fernando Pontalti Amorim, do superintendente de Indústria, Comércio e Serviços, Dieter Augusto Dreyer, além de técnicos da Sedesc que atuam nesse setor.

“Reunimos esse grupo para esclarecer pontos que podem estar preocupando alguns empresários que ingressaram com processo solicitando benefícios através da Lei do Prodes. O trabalho desenvolvido pela Sedesc é inteiramente transparente e está totalmente à disposição dos empresários de qualquer porte para consultas a qualquer tempo. Todos os processos protocolados na Prefeitura com base na Lei do Prodes têm igual importância e são tratados da mesma forma”, explicou o secretário Luiz Fernando Buainain na abertura do encontro. Os empresários presentes à reunião confirmaram a qualidade do atendimento da Sedesc.

Falando sobre o rito do Prodes para obtenção dos benefícios, o secretário da Sedesc fez um relato sobre a situação dos três pólos empresariais existentes em Campo Grande, informando que em apenas um deles (o Pólo Oeste) existem áreas disponíveis e esclarecendo sobre o trâmite de doações de áreas fora dos pólos.

O Pólo Oeste, único com áreas disponíveis para doação, possui hoje 150 lotes, sendo 40 ocupados, 40 livres e 70 em processo de retomada da área ou retomada dos projetos. O Pólo Norte, com 40 lotes, está totalmente ocupado. O Pólo Paulo Coelho Machado possui 23 Lotes e está totalmente ocupado, mas alguns empreendimentos ainda devem ser implantados. O Pólo sul com 60 hectares, também chamado Cidade dos Ônibus, depende de licença ambiental para sua implantação final.

“Quando o empresário solicita doação de área disponível no Pólo o processo segue muito mais rápido. Quando solicita terreno fora do pólo, em área pública da Prefeitura Municipal, o empresário tem que ter consciência de que o trâmite é mais longo e nem sempre é possível atender a demanda”, explicou o secretário da Sedesc, destacando a obediência às estratégias da Prefeitura quanto à ocupação das áreas de outras Secretarias Municipais.

Proposta Futura

Como proposta básica para os próximos meses, a Sedesc pretende continuar acelerando os processos em andamento, diminuindo entraves.

“Queremos implantar e inaugurar os empreendimentos aprovados em 2017, incluindo nesse pacote os processos antigos, desde que concluam todas as etapas do Prodes”, informa o secretário da Sedesc.

Está prevista também a implantação do Prodes Online, com protocolo eletrônico, digitalização e controle de processos e prazos, entre outros pontos favoráveis aos empresários.

“Queremos também estruturar melhor os pólos já existentes, principalmente o Pólo Oeste, fomentar a captação de novos empreendimentos e implantar o Terminal Intermodal de Cargas”, informa Luiz Fernando Buainain.

Codecon

A agenda do Codecon para 2018 prevê realização de 20 reuniões, com expectativa de aprovar pelo menos 50 novos projetos, com pelo menos R$ 300 milhões em investimentos e grande geração de empregos. Há também a proposta de retomar todas as áreas cujos empresários não cumpriram a legislação e as etapas de implantação de seus empreendimentos, dando assim oportunidade para novos projetos que irão gerar emprego e renda para Campo Grande.

O planejamento da Superintendência de Indústria e Comércio da Sedesc busca a aberturaedes de pelo menos dois novos núcleos ou pólos empresariais, bem como a implantação/reorganização do Pólo Sul.