Professor Rinaldo enaltece trabalho da Segurança Pública de Mato Grosso do Sul
Por Redação Publicado 8 de fevereiro de 2018 às 09:38hs
Deputado Professor Rinaldo (PSDB)

O líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Professor Rinaldo (PSDB), usou a tribuna durante a sessão ordinária desta quarta-feira (7/2) para elogiar o trabalho desenvolvido pelos servidores públicos que atuam na segurança pública em Mato Grosso do Sul.

Em sua fala, o deputado comentou sobre recentes casos de violência que repercutiram nacionalmente. “Visitei, durante o recesso, parentes no Rio de Janeiro, e percebi que as pessoas têm medo de sair de casa e se vêem com o direito de ir e vir alienado. Já no Nordeste vemos um caos instalado, como se os governadores tivessem jogado a toalha, o que acaba fortalecendo as pessoas que não tem amor ao próximo. Em Fortaleza, por exemplo, existem quatro facções criminosas, o que resultou nesta chacina onde 14 pessoas foram vitimadas”, disse.

Em seguida, falou sobre a situação de Mato Grosso do Sul frente ao cenário atual da segurança no país. “Lamentavelmente, o Brasil, um país continental, que possui a sétima economia do mundo, chegou onde chegou, com a banalização da vida, permitindo que se mate por qualquer valor. Mas no Mato Grosso do Sul, dadas as circunstâncias, por ser um Estado localizado em uma rota de tráfico internacional de drogas, devemos enaltecer o que tem sido feito pelo governo. Nosso Estado não pode ser comparado aos outros da Federação, pois nossa polícia alcança a primeira posição na elucidação de homicídios, com números que superam 60% dos casos, por exemplo”, continuou.

Em aparte, o deputado José Carlos Barbosa (PSB) complementou as colocações feitas por Rinaldo. “Passei 20 meses representando esta Casa na Secretaria de Justiça e Segurança Pública do Estado e posso trazer os números que alcançamos em 2017. Apesar de o Brasil viver um momento de perda do controle pelo Estado nesta área, devemos lembrar que Mato Grosso do Sul é, por exemplo, o recordista em apreensão de drogas. Dessa forma, protegemos o Brasil, os Estados Unidos e a Europa. Obtivemos uma redução de mais de 40% nos latrocínios, além dos mencionados 60% em homicídios como dito pelo colega”, finalizou.