Prodes injeta quase R$ 600 milhões na economia e gera 3 mil novos empregos
Por Redação Publicado 6 de abril de 2018 às 10:54hs

Em 16 meses de gestão, a Prefeitura de Campo Grande, em conjunto com a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia, vem trabalhando através da Lei do Programa de Incentivos para o Desenvolvimento Econômico e Social (Prodes), para desenvolver a economia e gerar emprego.

No período foram aprovados 59 projetos, totalizando 85 (havia 26 remanescentes de 2016 que não havia sido executados) o que vai gerar para a economia cerca de 600 milhões em investimentos e aproximadamente três mil novos empregos.

Empresário em Campo Grande, Akito Ikeda, da Distribuidora de Alimentos Ikeda, que nesta sexta-feira (6) foi um dos três empresários contemplados por meio da Lei do Prodes, em projetos que vão injetar mais de R$ 18 milhões e gerar 87 empregos diretos, se disse satisfeito com o momento atual do Município.

“Depois de longos anos estamos aqui. Digo por experiência própria. Quero agradecer todo o apoio que estamos tendo da Sedesc, que constantemente está em contato perguntando das nossas necessidades. Estamos lutando com todas as forças para superar as dificuldades econômicas que se apresentam, apesar de tudo, nossa vontade de crescer é maior. E quando encontramos no poder público o apoio para que nossos negócios se alavanque e se expanda, gere empregos, impostos, isso dá mais animo para todos nós. Isso nos fortalece!”, disse.

Para o prefeito Marquinhos Trad é este animo e a possibilidade de ver as famílias tendo emprego e oportunidade é o que realmente importa.

“Eu vejo amigos aqui, pessoas próximas ao crescimento e ao desenvolvimento da cidade. Razão porque faço questão de nominá-las: o Cristiano, o Fábio e o Akita. O mais importante para a nossa cidade não é aprovar projeto para que subam estáticas da administração, mas aprovar projetos para pessoas sérias, empresas que pensam na Carteira de Trabalho. A cada carteira assinada é uma família que sorri. É a garantia do recebimento do pai de família no inicio do mês. Do sustento de seus filhos”, disse o prefeito.

Campo Grande foi a quinta Capital de maior crescimento de geração de emprego no primeiro bimestre de 2018. Na frente estiveram apenas São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Curitiba. Foram 1.207 novos empregos. Em fevereiro foram 16.089 contra 14.446 demissões. Um saldo de 748 novos trabalhadores empregados.

“Estamos trabalhando para trazer e atrair novas empresas para Campo Grande. Temos 40 lotes disponíveis no Polo Oeste, no Polo Norte todas as áreas estão ocupadas, no Paulo Coelho também. Estamos fazendo retomadas de áreas de projetos que não se desenvolveram. E queremos criar um novo Polo Empresarial no Tarumã, com 62 hectares, sendo 38 lotes, de 5 a 12 mil m²”, contou.O secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia Luiz Fernando Buanain pontuou que em 2018 o Codecon pretende fazer 20 reuniões para avaliar e aprovar novos projetos.

Três novas empresa

Casa das Sementes – empresa do ramo de produção de mudas, plantas ornamentais, hortifruti, exportação de sementes e mudas, beneficiamento e produção de sementes, etc.

A empresa pretende aumentar a sua produção em atividade sustentável, com o atendimento a clientes de todo o Estado, principalmente para o município de Campo Grande e passará a atender também o mercado externo (exportação).

A empresa solicitou a doação de uma área ao longo da Avenida Duque de Caxias, com um total de aproximadamente 30.000 m², subutilizada e objeto de invasões constantes.

A empresa deverá atender a todas as demandas da área de sua atuação em todo o município, com maior agilidade, qualidade e a preços adequados.

Fertiquímica – empresa do ramo de fertilizantes, com a fabricação e comercialização de produtos para adubação foliar e adjuvantes.

Empresa de grande sucesso no segmento em que atua. Com a aplicação de tecnologia de ponta, desenvolve produtos que buscam soluções aos problemas atuais do segmento agrícola brasileiro.

Atua em pesquisa, em parceria com as principais instituições brasileiras do ramo em que opera: EMBRAPA, Fundação MS, universidades, IRGA – Instituto Rio-grandense de Arroz, etc.

Está ampliando a sua atividade.

Distribuidora de alimentos Ikeda – empresa do ramo de distribuição de alimentos beneficiados e embalados, destinados ao comércio local (mercados, supermercados e restaurantes).

Atua no MS há muitos anos e resolveu ampliar a sua atuação.

A área que está sendo doada faz parte de uma adequação de um projeto que já está sendo implantado no POLO OESTE. Esta adequação está relacionada a perda de área ocasionada pela exigência de segurança (passa linha elétrica de alta tensão no local) e de trânsito (adequações para largura da rua).