Premiê da Grécia renuncia ao cargo e país terá eleições antecipadas
Por Redação Publicado 20 de agosto de 2015 às 16:50hs

Alexis Tsipras vinha enfrentando rebelião dentro de seu próprio partido.
Divisão do partido Syriza enfraqueceu governo politicamente.

O primeiro-ministro da Grécia, Alexis Tsipras, anunciou sua renúncia no final desta quinta-feira (20), abrindo caminho para eleições antecipadas.

Tsipras, eleito em janeiro, fez o anúncio num discurso transmitido pela TV. “Estou renunciando porque esgotei o mandato que o povo me deu na eleição geral de janeiro”, disse Tsipras.

Ele afirmou que uma fase difícil das negociações de resgate econômico passou, mas admitiu que não conseguiu o acordo que queria — foi o melhor que havia, segundo o premiê.

As novas eleições possivelmente devem ocorrer no dia 20 de setembro.

Turbulência política
O líder grego tem enfrentado uma rebelião dentro de seu partido, o esquerdista Syriza, desde a aprovação do acordo para o terceiro pacote de ajuda financeira ao país.

Ao menos 44 parlamentares não apoiaram o governo na votação que aprovou o resgate, no valor de € 86 bilhões.

O antecipação eleitoral tem sido esperada desde a aprovação do resgate no parlamento, que evidenciou a divisão no seio do partido de Tsipras, culminando em seu enfraquecimento político.

Com o acordo concluído, a Grécia deixou uma zona de alta turbulência financeira, mas entrou em uma dura fase de cortes.

O ministro de Energia da Grécia, Panos Skurletis, afirmou que as eleições antecipadas se transformaram em uma opção necessária porque o Syriza “perdeu poder e, por extensão, o governo e também por uma questão de legitimidade democrática”.

Tsipras teve de contar com o apoio da oposição para aprovar o resgate no Parlamento e outro ministro argumentou que eleições seriam uma maneira de conseguir estabilidade política.

As turbulências políticas na Grécia têm alimentado incerteza sobre como o governo vai implementar o acordo de resgate, que exige profundas reformas econômicas e medidas de austeridade rígidas, sem uma maioria viável.

RESUMO DO CASO
– A Grécia enfrenta uma forte crise econômica por ter gastado mais do que podia.
– Essa dívida foi financiada por empréstimos do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do resto da Europa.
– Em 30 de junho, venceu uma parcela de € 1,6 bilhão da dívida com o FMI. Então, o país entrou em “default” (situação de calote), o que pode resultar na sua saída da zona do euro. Essa saída não é automática e, se acontecer, pode demorar. Não existe um mecanismo de “expulsão” de um país da zona do euro. No dia 13 de julho, outra dívida com o FMI deixou de ser paga, de € 450 milhões.
– Como a crise ficou mais grave, os bancos estão fechados para evitar que os gregos saquem tudo o que têm e quebrem as instituições.
– A Grécia depende de recursos da Europa para manter sua economia funcionando. Os europeus, no entanto, exigem que o país corte gastos e aumente impostos para liberar mais dinheiro. O prazo para renovar essa ajuda também venceu em 30 de junho.
– Em 5 de julho, os gregos foram às urnas para decidir se concordam com as condições europeias para o empréstimo, e decidiram pelo “não”.
– Os líderes europeus concordaram em fazer um terceiro programa de resgate para a Grécia, de até € 85 bilhões, mas ainda exigem medidas duras, como aumento de impostos, reformas no sistema previdenciário e mais privatizações.
– O parlamento grego aprovou na quarta-feira (15) o primeiro pacote de reformas para conseguir dinheiro para saldar parte do que deve aos credores. Com isso, o Eurogrupo deu aval prévio ao empréstimo.
– Em 17 de julho, a União Europeia aprovou uma antecipação de € 7,16 bilhões do pacote de ajuda que vem sendo negociado, para que o país não dê “calote” no pagamento de € 3,5 bilhões que tem que fazer na segunda-feira ao Banco Central Europeu (BCE).
– No dia 20 de julho, a Grécia pagou os recursos devidos ao FMI e foi declarada adimplente pelo órgão.
– A Europa pressionou para que a Grécia aceitasse as condições e fique na zona do euro. Isso porque uma saída pode prejudicar a confiança do mundo na região e na moeda única.
– O Eurogrupo aprovou no dia 14 de agosto o terceiro programa de resgate para a Grécia de até € 96 bilhões por um período de três anos.

Fonte: G1