Inaugurada na Capital a maior fábrica de proteínas de soja da América do Sul
Por Redação Publicado 9 de junho de 2018 às 12:15hs
DCIM100MEDIADJI_0022.JPG

Foi inaugurada na sexta-feira (08), em Campo Grande, a nova unidade da ADM (Archer Daniels Midland Company). Ao todo, foram investidos US$ 250 milhões na nova planta, no indubrasil, em uma área de 25 mil m² e que fica ao lado das unidades de esmagamento de soja, produção de óleo e farelo. A capacidade de produção é de 50 mil toneladas/ano, com isso, passa a ser a maior de processamento de soja da América do Sul, suprindo a demanda de empresas brasileiras que antes precisavam importar a proteína.

A nova planta inaugura com gama de 70 produtos que atendem dezenas de marcas alimentícias de carnes processadas, pães, refrigerantes, chás, energéticos, entre outros. A unidade começa a operar com 140 novos funcionários e vai funcionar com altíssima tecnologia na produção de proteína texturizada da soja – ofertando o produto tanto para vendas internas no país quanto para externas na América do Sul.

A concretização da fábrica de proteínas foi garantida por meio da contratação de R$ 274 milhões feita pela empresa junto ao Fundo de Desenvolvimento do Centro-Oeste (FDCO). Foi a primeira contratação de recursos desse fundo concretizada para Mato Grosso do Sul, fator que, segundo o secretário de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, na época, simbolizou o novo momento na atração de investimentos para o Estado.

Durante a solenidade de inauguração, o governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, disse que o complexo de processamento de proteína irá agregar valor à soja plantada no Estado. “Serão um milhão de sacas de soja industrializada e transformada em proteína texturizada que vão agregar a cadeia alimentar. Produtos que antes tinham que ser importados dos Estados Unidos e, agora, será produzido em Campo Grande”.

O governador lembrou que o Governo do Estado investiu R$ 6,6 milhões em recursos do Fundo de Apoio ao Desenvolvimento Econômico e Equilíbrio Fiscal do Estado (Fadefe) na revitalização do Indubrasil como forma de preparar o local para receber a fábrica. O Estado também doou 10 mil m² de área para instalação do pátio de caminhões.

Foram investidos ainda outros R$ 3 milhões para a ampliação do ramal de gás natural até o complexo industrial. O Complexo de Proteína da ADM consome 40 mil metros cúbicos de gás por dia, totalizando 1,2 milhão de metros cúbicos por mês. “A ADM nos procurou e pediu outra fonte de energia. A empresa consome hoje o dobro do consumido no restante de Campo Grande. Uma fonte limpa de geração de empregos e oportunidades”, completou o governador.

De acordo com o diretor-técnico e comercial da Companhia MSGás, Bernardo Prates, a ADM é o maior cliente em Campo Grande. “O consumo da ADM era de 1 mil m³ por dia e passamos para 40 mil m³ diariamente. Com isso, nos permite atender outros clientes que estão no percurso da rede e que isolados não conseguiriam ter acesso ao gás natural. A partir do momento que você é um cliente âncora, como a ADM, isso te possibilita ofertar gás natural para outros clientes da região”, concluiu.

O presidente da ADM Nutrition na América Latina, Roberto Ciciliano, destacou que Mato Grosso do Sul tem as condições ideais para o processamento da proteína e também pela qualidade da soja produzida aqui.  “A nova fábrica não é apenas a maior, mas também a mais moderna de proteínas concentradas de soja da América Latina e a que conta com o maior portfólio de produtos. No total, a ADM pode oferecer mais de 75 proteínas diferentes, com uma capacidade total de 50 mil toneladas/ano.”, disse.