Greve de professores e funcionários estaduais entra no 2º dia no Paraná
Por Redação Publicado 10 de fevereiro de 2015 às 12:17hs

Quase um milhão de estudantes estão sem aula desde segunda-feira (9). Pacote de medidas do governo do PR deve discutido nesta terça-feira (10).

prof-parana

Professores e funcionários estão reunidos em frente à Alep para acompanhar a sessão durante a tarde (Foto: Divulgação/APP-Sindicato)

A greve dos professores e funcionários das escolas estaduais do Paraná chega ao segundo dia nesta terça-feira (10) com a adesão de 100% da categoria, segundo o Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato). Os trabalhadores são contra um pacote de medidas do governo do Estado que afeta as carreiras dos educadores. Entre as exigências estão o pagamento de benefícios atrasados e a reabertura dos turnos fechados no fim de 2014. Por causa da paralisação, quase um milhão de estudantes estão sem aula.

Na manhã desta terça (10), milhares de profissionais se reúnem em frente à Assembleia Legislativa para acompanhar a sessão plenária que deve discutir a possibilidade de mudanças no pacote apresentado pelo governo. Os profissionais da capital e Região Metropolitana vão se reunir com mais cinco mil trabalhadores do interior que serão trazidos em cem ônibus até o início da tarde, segundo o sindicato. Antes disso, por volta das 9h, representantes da APP vão participar de uma reunião com o líder do governo na Alep – deputado Luiz Claudio Romanelli.

O chamado “pacotaço” foi apresentado pelo Executivo aos deputados estaduais em regime de urgência na quarta-feira (4). As medidas envolvem mudanças nos benefícios do funcionalismo público e são a segunda etapa de um ajuste fiscal que teve início em 2014, com o aumento da alíquota de impostos. O objetivo é ampliar receitas e diminuir despesas da máquina pública.

A sessão desta terça foi convocada por Romanelli após a polêmica greve. Ele apresentou à presidência da Casa o requerimento para transformar o Plenário em comissão geral. Desta forma, o pacote de medidas será analisado diretamente pelos parlamentares, sem  a tramitação pelas comissões específicas.

Romanelli afirmou que o Executivo analisa diversos aspectos de mudanças no pacote, porém, não adiantou quais. “Está tudo em aberto”, disse.

Durante a sessão de segunda, dezenas de professores que tiveram acesso às galerias da Casa protestaram. Por diversas vezes, os deputados que compõem a base de apoio ao governador Beto Richa (PSDB) foram vaiados durante o discurso.

A única confirmação de mudança por enquanto, segundo o líder

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!