Farmácias e drogarias de MS poderão aplicar vacinas
Por Redação Publicado 28 de junho de 2017 às 18:48hs
Três projetos foram aprovados na Ordem do Dia de hoje

Os deputados estaduais aprovaram durante a Ordem do Dia desta quarta-feira (28/6) três Projetos de Leis (PL), dentre eles o 12/2017, de autoria do deputado Professor Rinaldo (PSDB), que dispõe sobre os serviços e procedimentos em farmácias e drogarias de Mato Grosso do Sul e inclui a autorização de aplicação de vacinas e demais medicamentos.

Além das aplicações, esses estabelecimentos ficam autorizados a: “realização de testes de saúde, utilizando equipamentos ou dispositivos de point-of-care testing e de autoteste; determinação de parâmetros clínicos fisiológicos e antropométricos; acompanhamento farmacoterapêutico de pacientes; ações de rastreamento e educação em saúde; atendimento e aconselhamento para problemas de saúde autolimitados; e revisão da farmacoterapia e conciliação de medicamentos”.

A proposta determina que as farmácias e drogarias deverão disponibilizar uma sala de atendimento individual, com tamanho mínimo de três metros quadrados, para a realização dos serviços agora ofertados e deverão, entre outras obrigações, informar à Secretaria Municipal ou Estadual de Saúde quais doses de vacinas são mensalmente aplicadas e deverão seguir todos os parâmetros determinados por leis e pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Para conferir o projeto na íntegra clique aqui.

O projeto foi aprovado por maioria de votos em segunda discussão e segue para sansão do governador Reinaldo Azambuja (PSDB), para então se tornar lei estadual. O voto contra foi emitido pelo deputado Dr. Paulo Siufi (PSDB), que justificou que, na sua visão, “a medida pode colocar em risco a vida das pessoas sem a devida fiscalização e regulamentação”.

De autoria de Siufi, também foi aprovado em segunda discussão, por unanimidade, o PL 63/2017, que inclui o Festival de Música Eclética, realizado anualmente no município de Itaquiraí, no Calendário Oficial de Eventos do Estado de Mato Grosso do Sul. A proposta obteve parecer favorável da Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia.

Primeira discussão

Em primeira votação, com parecer favorável da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), foi aprovado por unanimidade o PL 88/2017, de autoria do deputado Lidio Lopes (PEN), que visa obrigar o Órgão de Proteção ao Direito do Consumidor do Estado de Mato Grosso do Sul (Procon/MS), a repassar ao denunciante o percentual de 10% sobre o valor da multa aplicada àquele que não respeitou os direitos do consumidor.

Segundo o projeto, somente serão aceitas e analisadas as denúncias que tragam detalhadamente os fatos tipificados como crimes contra as relações de consumo e que violem os direitos difusos, coletivos, individuais e homogêneos. Nos casos de acusações falsas e má-fé serão aplicadas multas ao denunciante. O deputado justificou que a compensação financeira deve ser feita ao denunciante que, além de ser lesado pela empresa denunciada, “gastou seu tempo e dinheiro durante o decorrer do processo”. Agora o PL segue para análise das comissões de mérito, para então seguir para votação em segunda discussão.

Além dos projetos já citados, também estavam previstos para a votação da Ordem do Dia de hoje os projetos 234/2016, de Amarildo Cruz (PT) e o PL 107/2017, de autoria de Beto Pereira (PSDB), que foram retirados de pauta, a pedido do autor e pelo Artigo 193 do Regimento Interno, respectivamente. Acesse cada um deles na íntegra pelo Sistema Legislativo clicando aqui.

Do NOT follow this link or you will be banned from the site!