Dia do Orgulho Crespo será celebrado em novembro
Por Redação Publicado 7 de junho de 2018 às 11:51hs

O calendário de Mato Grosso do Sul ganhou mais uma data importante para o combate ao preconceito. É o Dia do Orgulho Crespo, cuja lei foi sancionada pelo governador Reinaldo Azambuja e publicada no Diário Oficial do Estado (DOE) desta quinta-feira (07). A matéria, de autoria do deputado estadual Amarildo Cruz (PT), determina a data de 07 de novembro para ser reservada aos debates de questões raciais, diferenças de etnias, religiosas, de gêneros e deficiências.

É a luta contra o bullyng que, nos tempos do ‘curtir e compartilhar’, nunca antes se fez tão importante ser debatido e ter as ações colocadas em práticas. A data escolhida para celebrar o Dia do Orgulho Crespo, a propósito, surgiu exatamente por decorrência de um trágico episódio registrado em Nova Andradina, no final do ano passado.

A Lei é inspirada na história de vida da jovem Karina Saifer de Oliveira, de 15 anos, que foi encontrada morta pela própria mãe, Angela Saifer, de 46, enforcada na varanda de casa no dia 07 de novembro de 2017. A menina, de comportamento exemplar na escola, foi vítima de bullyng pelos próprios colegas. O motivo da chacota era o cabelo crespo.

De acordo com o deputado Amarildo Cruz, é preciso voltar à atenção para casos tristes como este. “Não podemos aceitar que pessoas sejam perseguidas e discriminadas. A nova lei irá pautar politicamente a sociedade sobre a importância de compreender de que forma a negação do cabelo crespo está associada ao racismo e ao preconceito”, afirmou.

Para Amarildo Cruz, a discussão sobre o cabelo dentro do contexto da identidade negra e da democracia racial é de extrema relevância, já que 51,4% das brasileiras têm os cabelos encaracolados e crespos, sendo que apenas 30% assumem a naturalidade dos cachos. “Esse dia de celebração é para sociedade refletir e debater o tema, reafirmando a identidade, a história e a luta dessas mulheres”, finalizou.