Deus concedeu o talento do futebol a Cristiano Ronaldo
Por Redação Publicado 15 de junho de 2018 às 17:18hs

A superioridade de Cristiano Ronaldo foi fundamental para o empate fantástico entre Portugal e Espanha, 3 a 3, nesta sexta-feira (15). O confronto entre as duas seleções, considerado pela imprensa esportiva como o duelo mais aguardado desta primeira fase da Copa do Mundo, foi uma partida daquelas para ficar gravada na história da competição mais importante do futebol. O atacante português não desapontou seus fãs e críticos e ‘comeu a bola’, como diz a sabedoria popular, marcou três e assumiu o papel de principal nome da seleção.

Todos os elogios não são suficientes para Cristiano, que talvez tenha feito hoje a sua melhor atuação pela seleção portuguesa. O atacante, além de ser a principal referência do setor ofensivo do time, acumula também a braçadeira de capitão e traz para si toda a responsabilidade de vitória ou derrota dos patrícios. Ao término da partida, em conversa com os companheiros de camisa, mostrou às câmeras de televisão a liderança que tem frente ao elenco, incentivando os demais a buscarem pelo resultado.

A Espanha também não deixou a desejar, mostrou um futebol bonito, feito em conjunto. Isso porque havia muita expectativa de como se comportariam os merengues após a demissão do técnico Julen Lopetegui, três dias antes, em decorrência de sua contratação por parte do Real Madrid. Com isso, assumiu Fernando Hierro, às pressas, já dentro da Rússia. Talvez tenha sido o primeiro técnico a estrear no comando de uma seleção diretamente no Mundial. Diego Costa, o brasileiro naturalizado espanhol, foi o principal nome do time.

O empate foi bom para apenas um time no Grupo B, o Irã, que derrotou o Marrocos por 1 a 0 um pouco antes do duelo entre Portugal e Espanha e lidera a chave com três pontos. Na próxima semana, o Irã tenta a classificação antecipada contra a Espanha, que precisa vencer para continuar viva na disputa. Já Portugal enfrenta o Marrocos, ambos os jogos acontecem no dia 20.

O jogo

Se havia dúvidas de que Portugal e Espanha fariam o melhor jogo da fase de grupos da Copa do Mundo, agora não se tem mais, é fato concreto. Os portugueses conseguiram marcar logo no primeiro minuto de jogo, em pênalti convertido por Cristiano Ronaldo.

O atacante foi derrubado dentro da área. Os espanhóis reclamaram bastante, pediram o árbitro de vídeo, mas não o juiz não aceitou e sinalizou a marcação. Este foi o quarto jogo da Copa e até agora não usarão o sistema de vídeo, principal novidade da competição este ano.

A Espanha respondeu aos 09. Alba recebe na esquerda e cruzou para Diego Costa, que dominou e a bola sobrou para Isco. O meia bateu de virada e mandou para fora. E novamente aos 21. Inista recebeu na área, fez boa jogada e deixou para David Silva, que também bateu para fora.

Aos 22, Portugal quase ampliou. Em contra-ataque rápido, Cristiano Ronaldo recebeu na área e deixou Bruno Fernandes de cara, mas o companheiro dominou errado e perdeu a bola. O empate veio no minuto seguinte. Diego Costa recebeu o lançamento na entrada da área, passou por três marcadores e bateu no canto para deixar tudo igual pela primeira vez.

Os espanhóis cresceram no jogo após o gol e reclamaram muito após a bola acertar o travessão e sair para fora. Aos 26, Isco aproveitou o rebote e bateu forte, de fora da área. A bola explodiu no travessão e desceu, mas não entrou.

O segundo gol de Portugal veio aos 43. Cristiano Ronaldo recebeu o passe de Guedes, na entrada da área, e bateu rasteiro. O chute parecia fácil para a defesa do goleiro De Gea, mas ele falhou. A bola foi espalmada para dentro do gol, no popular ‘mãos de alface’.

A vantagem dos patrícios durou pouco tempo. Logo no início da etapa complementar, após cruzamento na área, Busquets ganhou de cabeça e mandou para a pequena área. Diego Costa completou para dentro da meta, deixando tudo igual pela segunda vez.

E eles ampliaram na sequência. A Espanha entrou tocando pela direita e a bola sobrou para Nacho, fora da área, arriscou de longe e acertou o canto direito do gol, deixando os merengues na frente.

A Espanha ainda poderia ter ampliado o placar aos 26, quando David Silva recebeu na entrada da área e tocou na ponta para Alba, que cruzou rasteiro para Isco. O meia bateu cruzado e quase fez o quarto.

No futebol, quem não faz, leva. Aos 42, Cristiano Ronaldo bateu com categoria, marcou o seu terceiro no jogo e igualou o placar no clássico pela terceira e última vez. O time português ainda pressionou nos minutos seguintes, mas não conseguir mudar o placar final, 3 a 3.