Desempenho das carnes na segunda semana de agosto
Por Redação Publicado 16 de agosto de 2016 às 12:10hs

Da primeira para a segunda semana de agosto a receita cambial das carnes sofreu diluição (-6,32%)

Da primeira para a segunda semana de agosto a receita cambial das carnes sofreu diluição (-6,32%), o que fez com que o resultado dos primeiros dez dias úteis do mês decrescesse ainda mais em relação à primeira semana e, comparativamente ao que foi obtido em agosto do ano passado – apresentasse redução de 5%.

Ainda assim não custa repetir que, sendo agosto corrente mês “mais longo” (dois dias úteis a mais que agosto de 2015), o resultado final do mês pode sofrer reversão e se tornar positivo – como já ocorre em relação ao mês anterior (atualmente, aumento de receita de 5,5%).

Nesse cenário, o maior crescimento continua reservado para a carne suína. Que, mantido o atual nível de exportação, pode superar as 70 mil toneladas, volume que significa aumentos de 35% e 68% sobre, respectivamente, o mês anterior e o mesmo mês do ano passado. Neste caso, a receita cambial aumentaria 40% e 46%, também respectivamente.

Embora com expansão mais modesta, a carne de frango vem a seguir. O projetado, no momento, é um volume da ordem de 360 mil toneladas, com um faturamento de US$588 milhões, desempenho que proporciona aumentos de 12% e 15% sobre o mês anterior. Já o incremento sobre agosto de 2015 fica entre 3% e 4%, tanto no volume como na receita cambial.

A carne bovina aponta volume total ligeiramente acima de 90 mil toneladas e receita cambial de US$375 milhões, resultados que estão 10% e 15% acima do volume e da receita do mês anterior. Mas em relação ao mesmo mês do ano passado o aumento de volume é mínimo (+1,5%), o que pode tornar negativa a receita cambial (-7%).

A acompanhar, mesmo porque há treze dias de embarques à frente, quase 57% dos 23 dias úteis de agosto corrente.

Fonte: Portal do Agronegócios