Capital vai receber empresários argentinos para rodada de negócios
Por André Farinha Publicado 1 de setembro de 2017 às 10:45hs
O secretário de Integração Nacional da Argentina, Federico Fernandez Sasso, o representante do Itamaraty, João Carlos Parkinson, e o presidente da Associação Comercial de Campo Grande, na reunião em Jujuy.

Campo Grande vai receber, em Novembro próximo, uma comitiva de empresários argentinos para participarem de uma rodada de negócios. A informação é do presidente da Associação Comercial e Industrial de Campo Grande (ACICG), João Carlos Polidoro, que na quarta-feira (30) prestigiou, juntamente com os empresários e autoridades sul-mato-grossenses e brasileiras que integram a caravana da Rota da Integração Latino-Americana (RILA), um evento de negócios na cidade de Jujuy, no país vizinho.

Para Polidoro, as possibilidades de grandes negócios com os três países parceiros do Brasil no Mercosul (Argentina, Paraguai e Chile) são entusiasmantes. “Pelo tudo que vimos nesta viagem, onde todos estão envolvidos, os empresários, o Governo Federal, o Governo do Estado, para que o corredor seja uma realidade, creio efetivamente que em no máximo quatro anos estaremos trocando nossas riquezas e culturas”, disse.

Segundo as informações, a cidade de Jujuy, além de alimentos como o feijão, bebidas (vinho), serviços e logística, tem um forte parque industrial de derivados de energia solar e eólica, cujas empresas já estão atuando em outros países e tem interesse em investir no Brasil.

Presente no evento, o ministro de Produção da Argentina, Juan Carlos Robles, destacou que seu país apoia a iniciativa do Governo Brasileiro para abrir o corredor bioceânico. “Temos uma grande oportunidade de crescermos juntos, por toda a América Latina, e a Argentina está pronta para tornar esta rota um grande negócio em comum”, disse.

Em reposta, o ministro e o coordenador-geral de Assuntos Econômicos Latinos-Americanos, do Ministério das Relações Exteriores do Brasil, João Carlos Parkinson de Castro, reafirmou o compromisso do governo em viabilizar a Rota, com a construção da ponte sobre o rio Paraguai, em Porto Murtinho. “Preparam-se para as transformações da nossa América do Sul”, disse. “Podemos sair da crise juntos, criando melhores condições para nossos países estreitando os laços comercial e culturais.”, completou.

Comitiva

O grupo formado por empresários e autoridades brasileiras já está regressando para o país. Ao todo, 25 caminhonetes participaram de uma grande carreata que percorreu mais de 6 mil quilômetros de estradas e rodovias para incentivar e propagar a construção da chamada Rota Bioceânica, que integrará Brasil, Paraguai, Argentina e o Chile, levando os produtos para serem exportados pelos portos chilenos rumo à países asiáticos.

Os participantes conheceram a realidade das rodovias do traçado, como a necessidade de recapeamento especialmente no lado paraguaio e de melhorias em diversos pontos nas demais cidades envolvidas no projeto. Para que a iniciativa dê certo também é fundamental que o Brasil construa uma ponte sobre o Rio Paraguai, ligando a cidade de Porto Murtinho à  Carmelo Peralta, no Paraguai. O projeto já está pronto e aguarda a autorização por parte do Congresso Nacional, ainda sem previsão para votação.