Caixa renova incentivo ao esporte paralímpico
Por Ariel Moreira Publicado 5 de maio de 2017 às 08:53hs

A Caixa Econômica Federal renovou o incentivo ao esporte paralímpico brasileiro. O banco vai investir, até 2020, R$ 95 milhões em 11 modalidades paralímpicas e individualmente em atletas.

O contrato firmado entre o banco e o Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) prevê o repasse de R$ 40 milhões nos dois primeiros anos da parceria. Em 2019, ano dos Jogos Parapan-Americanos de Lima, no Peru, serão investidos R$ 25 milhões. Em 2020, ano dos Jogos Paralímpicos de Tóquio, o patrocínio das Loterias Caixa chegará a R$ 30 milhões. As modalidades contempladas pelo patrocínio são: atletismo, natação, halterofilismo, esgrima em cadeira de rodas, tiro esportivo, futebol de 5, bocha, goalball, rugby em cadeira de rodas, tênis de mesa e vôlei sentado.

Para o superintendente nacional de Promoções e Eventos da CAIXA, Gerson Bordignon, o apoio crescente ao esporte paralímpico contribuiu principalmente para a inclusão social da pessoa com deficiência. “No âmbito do desporto, o investimento proporcionou o desenvolvimento qualitativo de atletas, oportunizando treinamentos adequados e competições relevantes, além de divulgar que conceitos como superação, perseverança, luta, inclusão social, desenvolvimento físico, mental e educacional, são valores sustentados pela empresa. Há muito, o esporte paralímpico brasileiro vem apresentando um crescimento admirável, em quantidade e qualidade. A Caixa se orgulha de ter contribuído de forma significativa para este processo, seja patrocinando competições, apoiando financeiramente dezenas de atletas ou descobrindo novos talentos”, afirma Bordignon.

Parceria CAIXA e CPB:
A parceria entre a Caixa e o CPB já se estende por 13 anos. O patrocínio possibilita a realização de competições regionais, nacionais, como o Circuito Caixa Loterias, e internacionais, como o Open Brasil Caixa Loterias.

Além do atletismo e da natação, as duas modalidades que mais premiaram brasileiros, com 33 e 19 pódios respectivamente, o país subiu ao pódio em outras 13, quatro de forma inédita – canoagem, ciclismo, halterofilismo e vôlei sentado.

Com informações da Caixa