Após confusão no Carnaval, ‘Enterro dos Ossos’ é proibido na Esplanada
Por Redação Publicado 3 de março de 2017 às 08:23hs

Após a confusão que ocorreu na madrugada da última quarta-feira (01) durante o Carnaval na região da Esplanada Ferroviária, a Prefeitura e demais órgãos proibiram o “Enterro dos Ossos” no próximo sábado (4), que seria realizada pelo Bloco Capivara Blasé.  O Carnaval é realizado no local histórico da Capital há 11 anos, onde mais de 30 mil pessoas brincaram nesses últimos quatro dias.

A decisão foi informada aos integrantes dos blocos em reunião com a Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano), Polícia Militar, Guarda Municipal, Secretaria Municipal de Cultura e IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional)

De acordo com Vitor Samúdio, um dos organizadores do Capivara Blasé, um outro local foi sugerido para a realização do “Enterro dos Ossos”. Os locais indicados foram a Praça do Papa e a Cidade do Natal. “Não é assim, você mandar as pessoas para outro local. Em várias outras cidades o Carnaval é realizado em locais tombados”, disse. Vitor acredita que a suspensão da festa do próximo sábado é o primeiro passo para acabar com o Carnaval na região da Esplanada.

A festa no local é realizada principalmente pelo Cordão da Valu e Capivara Blasé, que se alternaram na realização do evento nos quatro dias.

Confusão
Na madrugada desta quarta-feira (1º), quando terminava o último dia de festas na região da Esplanada Ferroviária, policiais utilizaram bombas de gás lacrimogêneo e bombas para dispersarem os foliões. A justificativa é que teria um horário para o fim da festa e duas pessoas acabaram detidas por desacato.

Segundo informação policial, ao fim da festa várias pessoas jogaram garrafas para cima dos policiais e das viaturas, então houve a intervenção. Batalhão de Choque foi acionado para dar apoio e fez uso de gás lacrimogêneo e bombas de efeito moral. Ainda de acordo com a polícia, havia aproximadamente 20 mil pessoas no evento.

Duas pessoas foram detidas por desacato, desobediência e resistência. Elas foram encaminhadas para a Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro, assinaram um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência) e foram liberadas.

Nas redes sociais, pessoas que estavam na festa afirmam que não houve um aviso prévio de que a festa tinha terminado e que eles deveriam ir embora. Na madrugada de terça-feira (28), briga generalizada terminou com um jovem de 24 anos gravemente ferido, com corte profundo na cabeça possivelmente causado por golpes com garrafas de vidro.

Fonte: Midiamax/Diego Alves